Durante as férias tivemos alguns pedidos de Oficina de YouTuber, ou seja, ensinar crianças a criarem contas no YouTube, postar vídeos, conseguir audiência e seguidores. Neste post, explico que poderíamos oferecer o curso, mas apresento as razões pelas quais não consideramos adequado que crianças sejam YouTubers.

A Just CODING tem o conhecimento técnico?

Sim. Tenho bastante experiência nesta área, já que criei meu primeiro canal do YouTube há mais de 10 anos. Na época, nos EUA, acabava de ser lançado o Khan Academy, com o conceito de  "sala invertida", ou seja, o aluno assistia aos vídeos com o conteúdo das aulas teóricas em casa ou no trabalho, e o tempo em sala de aula é utilizado para fazer trabalhos, tirar dúvidas, aprofundar o conhecimento, trocar experiências entre os colegas. Acreditando muito neste modelo, criei um canal para ensinar Programação para os alunos do IBMEC com esta metodologia e foi um grande sucesso.

Então, por quê a Just CODING não oferece o curso de YouTuber?

A primeira razão é legal. Segundo as regras do YouTube, você precisa ter pelo menos 13 anos para criar uma conta no YouTube. Para criar uma conta para uma criança abaixo desta idade, é preciso que os pais criem a conta, e a supervisionem. Desta forma, um de nossos professores criar a conta para a criança fere as regras. 

A segunda razão é o motivo destas regras. As organizações internacionais de segurança online para crianças (CODE.ORG, Creative Commons) recomendam que antes dos 13 anos a criança não publique na internet NENHUMA imagem sua, NENHUMA foto, NENHUMA informação pessoal (como nome, endereço, telefone, idade, escola que frequenta, cidade que mora). Algo muito difícil de se fazer quando se está gravando vídeos.

Por isto, ter uma conta no YouTube expõe a criança à riscos. O mais óbvio é a possibilidade de estranhos se comunicarem com a criança, o que pode resultar em diversos riscos de exposição:

  • Riscos de baixa exposição: visualização e recomendação de vídeos de outros canais não adequados à idade da criança.
  • Riscos de média exposição: cyber bullying na área de comentários, ofensas e envio para a criança de material não adequado (violento, sexual).
  • Riscos de alta exposição: perseguição da criança, sequestro, agressão física.

Por fim, também existe a possibilidade de dano emocional. Não ter seguidores suficientes, se envolver em um ambiente muito motivado pela inveja, ganância e vaidade pode provocar efeitos sérios na auto estima das crianças. Por mais que ela "entenda" que a "culpa" de não ser famosa não é dela, as críticas no mundo virtual tendem a ser muito mais cruéis do que pessoalmente.  

Mas então, por que tem tantas crianças fazendo? O que falo para meu filho?

A imagem de YouTuber e influenciadores digitais é hoje a imagem de pessoa famosa, como eram os músicos, atores e estrelas do esporte de antigamente. 

A grande maioria dos pais quer o melhor para seus filhos, e acredita que ser um YouTuber pode ser legal, um passatempo, e não sabem que não é adequado para a criança. 

Por isto, é importante explicar que muitas crianças que ficaram famosas na infância, como Michael Jackson, tiveram diversos problemas emocionais na vida adulta. 

Que nem tudo que os outros fazem é correto ou seguro. Que esta exposição tão grande na internet é prejudicial a ele. E que existem outras alternativas mais seguras e tão interessantes quanto ser um YouTuber!

Então, tem alguma opção mais segura?

Sim, tem. 

Na Just CODING oferecemos oficinas variadas para crianças e jovens de 4 a 17 anos.

Nestas oficinas, eles aprendem:

  • Programação de Jogos,
  • Programação de Histórias, e
  • Criação de Páginas de Internet. 

Para cada faixa etária, temos plataformas diferentes, com recursos diferentes, e temáticas apropriadas para a idade. Por exemplo, de 4 a 7 anos, os alunos só podem usar personagens pré-definidos. De 8 a 12, eles podem escolher imagens na internet, com a supervisão dos professores para fazer pesquisa segura no Google. De 13 a 17 eles usam personagens e redes sociais, além de publicar o conteúdo em uma página de internet que pode ser visualizada publicamente.

Nos três casos os alunos são capazes de se expressar, falar dos seus interesses e desenvolver habilidades importantes no mundo digital. As oficinas são sempre feitas em dupla, compartilhando com os colegas e professores em um ambiente acolhedor, com críticas construtivas e atenciosas.

Ao longo de todo o processo, discutimos as questões de segurança, exposição pessoal e cidadania digital. Ensinamos nossas dicas (LINK) para ser um cidadão construtivo na internet, e protegemos os alunos de riscos desnecessários.

Ao final, eles publicam os projetos desenvolvidos na internet, de forma anônima, sem a exposição de informações ou imagens pessoais. O resultado final são alunos que participam deste incrível mundo digital de forma criativa, pessoal e segura.

VAMOS CONSTRUIR O FUTURO?

PARA SABER MAIS: Neste TED (palestra curta), vemos as razões pelas quais expor nossos filhos (e nós mesmos) à longos períodos de internet sem filtro pode ser um grande problema: https://m.youtube.com/watch?v=v9EKV2nSU8w

Comment